A Paz do Senhor esteja contigo.

A Paz do Senhor esteja contigo

Disse Jesus: Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome eu estarei presente.

Seja bem vind@.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Planeta terra: Milagre de Deus, no texto de Leonardo Boff: O sentido de ver a Terra de fora da Terra

http://leonardoboff.wordpress.com/2012/11/28/o-sentido-de-ver-a-terra-de-fora-da-terra/


O sentido de ver a Terra de fora da Terra

28/11/2012
Os últimos séculos se caracterizaram por infindáveis descobertas: continentes,povos originários, espécies de seres vivos, galáxias, estrelas, o mundo subatômico, as energias originárias e ultimamente o campo Higgs, espécie de sutil fluido que pervade o universo; as partículas virtuais ao tocá-lo recebem massa e se estabilizam. Mas não havíamos descoberto ainda a Terra como planeta, como a nossa Casa Comum. Foi preciso que saíssemos da Terra para vê-la de fora e então descobri-la e constatar a unidade Terra-Humanidade.
Este é o grande legado dos astronautas que tiveram, por primeiro, a oportunidade de contemplar a Terra a partir do espaço exterior. Produziram em nós o que foichamado de Overview Effect, vale dizer, “o efeito da visão de cima”. Belíssimos testemunhos de astronautas foram recolhidos por Frank White em seu livro Overview Effect (Houghton Mifflin Company, Boston 1987). Eles produzem em nós forte impacto e um grande sentimento de reverência, uma verdadeira experiência espiritual. Leiamos alguns testemunhos.
O astronauta James Irwin dizia:”A Terra nos recorda uma árvore de natal dependurada no fundo negro do universo; quanto mais nos afastamos dela, tanto mais vai diminuindo seu tamanho, até finalmente ser reduzida a uma pequena bola, a mais bela que se possa imaginar; aquele objeto vivo tão belo e tão caloroso parece frágil e delicado; contemplá-lo muda a pessoa, pois ela começa a apreciar acriação de Deus e a descobrir o amor de Deus”. Outro, Eugene Cernan, confessava:” Eu fui o último homem a pisar na lua em dezembro de 1972; da superfície lunar olhava com temor reverencial para a Terra num transfundo muito escuro; o que eu via era demasiadamente belo para ser apreendido, demasiadamente ordenado e cheio de propósito para ser fruto de um mero acidente cósmico; a gente se sentia, interiormente, obrigado a louvar a Deus; Deus deve existir por ter criado aquilo que eu tinha o privilégio de contemplar; espontaneamente surge a veneração e a ação de graças; é para isso que existe o universo”.
Com fina intuição observou Joseph P. Allen, outro astronauta:” Discutiu-se muito, os prós e os contras a respeito das viagens à lua; não ouvi ninguém argumentar que deveríamos ir à lua para poder ver a Terra de lá, de fora da Terra; depois de tudo, esta tem sido seguramente a verdadeira razão de termos ido à lua”.
Ao fazer esta experiência singular, o ser humano desperta para a compreensão de que ele e a Terra formam uma unidade e que esta unidade pertence a uma outra maior, à solar, e esta à outra ainda maior, a galáctica e esta nos remete ao inteirouniverso e o inteiro universo ao Mistério e o Mistério ao Criador.
“De lá de cima”, observava o astronauta Eugene Cernan,”não são perceptíveis as barreiras da cor da pele, da religião e da política que lá em baixo dividem o mundo.” Tudo é unificado no único planeta Terra”. Comentava o astronauta Salman al-Saud:“no primeiro e no segundo dia, nós apontávamos para o nosso país, no terceiro equarto para o nosso continente; depois do quinto dia tínhamos consciência apenas da Terra como um todo”.
Estes testemunhos nos convencem de que Terra e Humanidade formam de fato um todo indivisível. Exatamente isso foi escrito por Isaac Asimov num artigo no The New York Times de 9 de outubro de1982 por ocasião dos 25 anos do lançamento do Sputnik que foi o primeiro a dar a volta à Terra. O título era:”O legado do Sptutnik: o globalismo”. Ai dizia Asimov:”impõe-se às nossas mentes relutantes a visão de que Terra e Humanidade formam uma única entidade”. O russo Anatoly Berezovoy que ficou 211 dias no espaço afirmou a mesma coisa. Efetivamente não podemos colocar de um lado a Terra e do outro a Humanidade. Formamos um todo orgânico e vivo. Nós humanos somos aquela porção da Terra que sente, pensa,ama, cuida e venera.
Contemplando o globo terrestre presente em quase todos os lugares, Irrompe, espontaneamente em nós, a percepção de que apesar de todas as ameaças de destruição que montamos contra Gaia, o futuro bom e benfazejo, de alguma forma, está garantido. Tanta beleza e esplendor não podem ser destruídos. Os cristãos dirão: Esta Terra é penetrada pelo Espírito e pelo Cristo cósmico. Parte de nossa humanidade por Jesus já foi eternizada e está no coração da Trindade. Não será sobre as ruinas da Terra que Deus completará a sua obra. O Ressuscitado e seu Espírito estão empurrando a evolução para a sua culminância.
Uma moderna legenda dá corpo a esta crença: “Era uma vez um militante cristão do Greenpeace que foi visitado em sonho pelo Cristo ressuscitado. Este o convidou para passearem pelo jardim. O militante acedeu com grande entusiasmo. Depois de andarem por longo tempo, admirando a biodiversidade presente naquele recanto, perguntou o militante:”Senhor, quando andavas pelos caminhos da Palestina, disseste, certa feita, que voltarias um dia com toda a tua pompa e glória. Está demorando demais esta tua vinda!. Quando, finalmente, retornarás de verdade, Senhor? Depois de momentos de silêncio que pareciam uma eternidade, o Senhor respondeu:”Meu irmãozinho, quando minha presença no universo e na natureza for tão evidente quanto a luz que ilumina este jardim; quando minha presença sob a tua pele e no teu coração for tão real quanto a minha presença aqui e agora; quando esta minha presença se tornar corpo e sangue em ti a ponto de não mais precisares pensar nela; quando estiveres tão imbuído desta verdade que não mais perguntarás insistentemente como estás perguntando agora, então, meu irmãozinho querido, é sinal de que eu terei retornado com toda a minha pompa e com toda a minha glória”.
Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor, autor de O Tao da Libertação,Vozes 2012.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Dialogo Inter - Religioso. 26ª Ficha: Declaração Nostra Aetate (NA)



Sobre o Diálogo Inter-religioso 
Não haverá paz entre as religiões,
se não existir diálogo entre elas.
Não haverá diálogo entre as religiões,
se não existirem padrões éticos globais
Hans Küng



Confira na integra no link abaixo:

26ª Ficha: Declaração Nostra Aetate (NA)

domingo, 9 de setembro de 2012

Sobre o Ecumenismo. 25ª Ficha: Decreto Unitatis Redintegratio (UR)


A um só Deus que paira sobre todas as coisas, sobe todo o Universo, um só Espirito Santo e Um Único       Filho de Deus para todos os Cristãos.

"A cooperação de todos os cristãos exprime os laços que os unem entre si e faz resplandecer mais plenamente a face de Cristo Servo. Ela deve ser aperfeiçoada sempre mais, na medida em que  contribui para promover a dignidade da pessoa humana e a paz, a superação da fome, o  analfabetismo, a pobreza, a falta de habitações e a distribuição de bens. Cabe aos cristãos reconhecer estes sinais e participar do trabalho ecumênico: “Ser uma Igreja ecumênica para transformar este mundo em um mundo de Deus”. Só assim se compreenderá que os cristãos têm a mesma missão e que estão na barca de Jesus, na qual todos são chamados a construir uma oikoumene com justiça e paz: entre os povos, com a terra, do ser humano consigo mesmo e com a fonte originária da vida, que é Deus, de onde tudo veio e para onde tudo vai…"

Confira na ficha 26 do AVF no link abaixo:


25ª Ficha: Decreto Unitatis Redintegratio (UR)


Para refletir:

1) Quais os aspectos mais importantes do Ecumenismo?



2) O que tem sido feito em nossas Comunidades para colocar o decreto UR em prática? Temos desenvolvido uma espiritualidade ecumênica?
3) O que foi importante para você nesta Ficha, no que diz respeito à sua prática ecumênica?


quinta-feira, 5 de julho de 2012

Educação Cristã, direito de todos os povos. Ficha 23 do AVF: Gravissimum Educationis(GE)



"Comprometer-se com a educação é aproximar-se do maior de todos os educadores da humanidade, Jesus Cristo, que disse: “Ide por todo o mundo e ensinai a todas as criaturas, para que tenham vida e vida em abundância” (Mc 16,15; Jo 10,10).

Confira o texto do AVF no link abaixo:
23ª Ficha: Gravissimum Educationis(GE)

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Sobre a Igreja no mundo de hoje: Constituição Pastoral GAUDIUM ET SPES (GS) – Ficha 22 do AVF





Em 1967, o Papa Paulo VI, afirmou na encíclica  Populorum Progressio, que: o desenvolvimento socioeconômico é o novo nome da Paz. Paz está que o mundo anseia cada vez mais, paz está cada vez mais escassa, não obstante o fenômeno atual da globalização.

A Igreja, partido dos princípios gerais norteadores da Constituição Pastoral Glaudium Et Spts (Vaticano II, (1962/1965) e, em sua incansável busca da implantação do Reino de Deus na terra, se debruçou em estudos e conferências, donde foram produzidos vários documentos com fortes caracteres econômicos e sociais, buscando o bem estar do homem e a paz na terra, o que culminou em 2004, na publicação do compêndio da Doutrina Social da Igreja e muitos outros documentos.

Sobre a Igreja no mundo de hoje, confira a ficha 22 do AVF: Constituição Pastoral GAUDIUM ET SPES (GS), o link a seguir: http://www.ambientevirtual.org.br/fichas-de-estudo/desenvolvimento-o-novo-nome-da-paz/

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Mulher x Igreja no século XXI - Ivone Gebara: A Inquisição de hoje e as Religiosas norte-americanas

"Então Miriã, a profetiza, a irmã de Arão, tomou o tamboril na sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamboris e com danças.E Miriã lhes respondia: Cantai ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou; e lançou no mar o cavalo com o seu cavaleiro." (Êxodo 15:20-21)
 



A situação da mulher mãe, executiva, politica, do lar a operária,  mulher religiosa e mulher Teóloga no século XXI dentro da Igreja. O que mudou,  o que ainda mudará? Muitas são as questões e indagações acerca da religiosidade da mulher na Igreja do século XXI, ainda não respondidas, conforme relata a religiosa e Teóloga em seu texto: 


"Que atitudes tomar diante desse anacronismo e violência simbólica das instâncias curiais e administrativas da Igreja Católica Romana? Que pensar de seu referencial filosófico rígido que assimila o melhor do ser humano ao masculino? Que dizer de sua visão antropológica unilateral e misógena a partir da qual interpretam a tradição de Jesus? Que pensar desse tratamento administrativo/punitivo a partir do qual se nomeia um arcebispo para rever, orientar e aprovar decisões tomadas pela Conferência de Religiosas como se fôssemos incapazes de discernimento e lucidez?
Seríamos acaso uma empresa capitalista multinacional em que nossos “produtos” deveriam obedecer aos ditames de uma linha de produção única? E para mantê-la devemos ser controladas como autômatos pelos que se consideram os donos e guardiões da instituição? Onde fica a liberdade, a caridade, a criatividade histórica, o amor sororal e fraternal?"

Confira na integra o texto critico reflexivo de Ivone Gebara, no site abaixo:

domingo, 10 de junho de 2012

A Família no século 21 e a Igreja - Ficha 21 do AVF: A Dignidade do Matrimônio e da Família, e a Promoção da Cultura (4ª GS)




A família integra o homem e sua humanidade, pois é a partir dela que o ser humano nasce, cresce, aprende e se desenvolve. Sendo a família humana o pilar de qualquer pessoa. No entanto, neste novo  século a família ganhou novos nuances, cor e formas e, a Igreja sempre atenta procura respostas para solida construção do homem no seu berço: a família. Nesse contexto, o principal desafio da Igreja hoje é: "...o cuidado com as  mais variadas situações que atingem as famílias, o que se caracteriza como um grande desafio à Igreja, que são: os matrimônios mistos, as uniões civis, as segundas uniões, os divorciados e os sem família".

Em busca de resposta, nem sempre fáceis, a Igreja segue seu caminho Cristão em prol de toda a humanidade. Lembro aqui, que Cristo, Deus que se fez homem, nasceu de uma família nada convencional para sua época, pois José foi seu pai adotivo e Maria engravidou sem conhecer um homem quando ainda era noiva de José. Entretanto, a família de José, Maria e Cristo é o maior exemplo do que é ser família realmente, nascida antes do espirito do que da carne, algo que o homem de hoje ainda não atingiu a plenitude do entendimento, razão pela qual a instituição mais antiga do mundo, a família enfrenta uma crise global, nunca antes vivida. 

Sobre o tema, confira o pequeno estudo sobre a Família Cristã, efetuado pelo grupo AVF na ficha abaixo:

21ª Ficha: A Dignidade do Matrimônio e da Família, e a Promoção da Cultura (4ª GS)

sexta-feira, 1 de junho de 2012

O Espirito de Deus...

"Vem, Espírito Criador! Renove a face da Terra, aqueça nossos corações e rasgue um horizonte de sentido e de esperança para a nossa realidade humana desumanizada."


O Espirito de Deus no cosmo por Leonardo Boff, confira seu belíssimo texto: 


"O espírito no cosmos, no ser humano e em Deus" no site abaixo:
http://leonardoboff.wordpress.com/2012/05/26/o-espirito-no-cosmos-no-ser-humano-e-em-deus/

O Senhor fala de Paz (Judaísmo)

Segunda-feira, 21 de maio de 2012 - 20h24min
por Salmo 85.9-12 (Judaísmo)
Vou escutar o que diz Deus, o Senhor
Sim, ele fala de Paz
para seu povo e para seus fiéis,
desde que não voltem à loucura
Sua salvação está próxima daqueles que o temem,
ao habitar a glória em nossa terra.
O amor e a fidelidade se encontram,
a justiça e a paz se beijam.
A verdade germina da terra,
e a justiça se inclina do céu.



quarta-feira, 23 de maio de 2012

A Vocação do Homem e da Igreja no Mundo (GS 03) - Ficha 20 AVF



Para refletir:

 1)  Qual o sentido do trabalho humano? E por que este sentido tem sido destruído?
2)  Como a vivência da fé influencia o nosso compromisso com as pessoas hoje?
3)  Quais os desafios da Igreja no mundo atual?
4) Viver autenticamente o Evangelho é “estar na mão” ou “na contramão” da cultura pós moderna? Como você entende isso?
Confira está e outras questões abordadas no Vaticano II no documento intitulado:
Constituição Pastoral GAUDIUM ET SPES
Sobre a Igreja no mundo de hoje e o Sentido da Atividade Humana no Mundo, no site:

sábado, 12 de maio de 2012

"Antes de cada amor é menina. Depois de cada amor é mãe." Leonardo Boff.



Mãe é mãe não apenas em um dia do ano, o dia das mães, mas nos 365 dias do ano e, por toda a sua vida.  Mas como humanos que somos, elegemos um dia, uma data especial para lembrar essa grande verdade. A mulher, uma vez mãe é sempre mãe e mesmo aquelas que ainda não o foram, carregam no coração toda a potência e capacidade de amar como somente uma mãe sabe amar, seja ela, uma mãe biológica, seja ela uma mãe adotiva, mãe é mãe e ponto final. A mulher uma vez mãe, nunca mais perderá esta qualidade especial, aconteça o que acontecer, mãe é sempre mãe. A natureza, a história do mundo mundo criado nos diz isso, nos eleva a isso e, claro, a mãe das mães, Nossa Senhora, mãe de Jesus, mãe de Deus, nos prova isso na história de seu amor, dedicação e fidelidade ao seu filho único: Jesus Cristo.

Em homenagem a este dia, poderia aqui falar "simplesmente" sobre as mães, mas resolvi, homenagear as mães, pelo seu atributo mais peculiar, o ser mulher menina e sua capacidade nata de ser mulher em sua plenitude na maternidade, seja ela biológica ou afetiva. 

"O AMOR INCONDICIONAL DA MÃE."  O dia das mães por Leonardo Boff:

“O homem passa uma noite com uma mulher e depois vai embora. Sua vida e seu corpo são sempre os mesmos. A mulher, porém, concebe. Como mãe, ela é diferente da mulher que não é mãe. Pois, ela carrega em seu corpo, por nove meses, as consequências de uma noite. Algo cresce dentro dela, que jamais desaparecerá. Pois ela é mãe."
...“Tudo isso o homem não conhece. Ele não sabe nada disso. Ele não conhece a diferença entre o “antes do amor” e o “depois do amor”, entre antes da maternidade e depois da maternidade. Ele não pode conhecer. Só uma mulher pode saber e falar sobre isso."

Confira o belo texto de Leonardo Boff na integra no link abaixo:

terça-feira, 1 de maio de 2012

"A pessoa e a Comunidade Humana segundo a Igreja"-Ficha 19 do AVF

O homem que começou a conhecer o Universo através das ciências, das técnicas e das artes, não o dominará senão através e por permissão divina de seu Criador, Deus Pai, todo poderoso, cuja Igreja se fez e se coloca como instrumento de Deus nessa busca do homem por Deus seu criador, seja no mundo de ontem, hoje e sempre, está é a vocação de todo homem. Em toda essa busca, a Religião ocupa o seu lugar de destaque único, diferente de outras ciências humanas, a religião, busca efetivamente re – ligar o homem ao seu criador. O Concilio Vaticano II, guiado pelo espírito Santo, ciente desse dever da Igreja para com toda humanidade, busca resgatar essa Religião – Re – ligação do homem ao seu criador.
“Para a GS a vida humana está acima de tudo, pois, como afirma Santo Irineu, ‘A glória de Deus é o Homem vivo’‘[1].”
Nesse contexto, a GS representa um novo olhar da Igreja sobre as sociedades civis e o Estado.
Diz o texto literalmente:
“Toda pessoa é chamada a participar das mais variadas instituições sociais com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de outras pessoas e, também como membro, tem o direito de ser beneficiada pelas ações das respectivas instituições, o que ‘contribui para consolidar e desenvolver as qualidades das pessoas’ (GS25).
Coerente com o Evangelho, o Concílio defende o respeito às pessoas e denomina de infame tudo quanto se opõe à vida: toda a espécie de homicídio, genocídio, aborto, eutanásia e suicídio voluntário; tudo o que viola a integridade da pessoa como as mutilações, os tormentos corporais e mentais e as tentativas de violentar as próprias consciências; tudo quanto ofende a dignidade, como as condições de vida infra-humanas, as prisões arbitrárias, as deportações, a escravidão, a prostituição, o comércio de mulheres e jovens; e também as condições degradantes de trabalho em que os operários são tratados como meros instrumentos de lucro e não como pessoas livres e responsáveis (GS27).  Todavia, os Bispos conciliares lembram a necessária caridade e o esforço para dialogar com os grupos que desrespeitam a pessoa e a sua dignidade, pois também estes são grupos humanos (GS28).”
O mundo mudou...e a Igreja também, por essa razão esse documento da Igreja é chamado de: A grande “Constituição Pastoral”, pois transfere a todos e a todas o dever de por a Fé a serviço do bem comum, como se pode concluir nos dizeres Evangélicos para quem quiser ouvir:
“A FÉ SEM OBRAS É MORTA”. (Tg 2, 26).
 Para Refletir:
1) Como você define o que é “Dignidade Humana”?
2) Como a Igreja e os cristãos têm atualizado a mensagem do Evangelho na promoção do ser humano em sua dignidade de filho de Deus?
3) Como você a participação dos cristãos leigos e leigas nos diversos segmentos da sociedade civil e especialmente na política?
Para responder a estas questões propostas pela ficha 19 do AVF, leia e confira na integra o texto no link abaixo:

domingo, 15 de abril de 2012

GAUDIUM ET SPES _ Alegrias e Esperanças Sobre a Igreja no mundo de hoje – Ficha 18 AVF





Um documento da Igreja, à frente 50 anos do  tempo  de  sua elaboração e a frente da própria Igreja que o criou. Como isso é possível?  São os mistérios de Deus, revelando – se a humanidade segundo seu tempo e entendimento, no tempo de Deus. A viga mestra desse documento é Jesus Cristo Ressuscitado, segundo os 4 (quatro) Evangelhos Cristãos e da tradição da Igreja.
Um documento que expressa o desejo da Igreja de falar a toda humanidade, para o bem de todos os seres no planeta, sobretudo, aos homens e mulheres que nele habitam, razão pela qual expressa um caráter eminentemente Pastoral, sendo conhecida como: A Carta Magna da Pastoral Social, pois: ela foi à base para o surgimento das chamadas pastorais sociais, implantadas nos últimos cinquenta anos, cuja ação se dá em função da consciência de que a Igreja somente será sinal do Reino, na história humana, se anunciar, com suas práticas e consequências, o Evangelho de Cristo a todos (GS43).

Confira o texto na integra no link abaixo:

domingo, 8 de abril de 2012

Concilio de Trento x Concilio Vaticano II – A Bíblia na mão de todo Povo de Deus.Ficha17: A Sagrada Escritura na Vida da Igreja



O Concilio de Trento (1545 a 1563), efetuou a contra reforma no tocante aos movimentos em prol da publicação da Bíblia em vernáculo e popularização da Bíblia, pelo uso de restrições parciais a sua leitura que se tornaram universais e, Em 1559, sob Paulo IV, e depois, em 1564, sob Pio IV, a Congregação do Índice promulga o Index Librorum Prohibitorum e veda também que, sem uma licença especial, se pudesse imprimir e possuir Bíblias em vernáculo...”

Os integrantes do Concilio Vaticano II (1962-1965) movidos pela luz do Espírito Santo acolheram e incorporam  nos documentos da Igreja o pensamento dos *Santos Padres da Igreja (Patrística – primeiros padres da Igreja, também chamados de pai da Igreja), na Igreja que hoje vivemos, no qual destacamos São Jerônimo: “O desconhecimento das Escrituras é o desconhecimento de Jesus Cristo”; São Ambrósio :“Falamos com Deus quando rezamos e a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos” -DV25. 


Assim restaurando a verdade do Espírito de Deus dentro da Igreja e para o mundo, através do documento “Dei Verbum” (Revelação Divina), que promove e incentiva o acesso de todo Povo de Deus a Bíblia, que recomenda o estudo assíduo da Bíblia não apenas aos Padres, mas sobretudo a diáconos, catequistas e Ministr@s Leig@s da Palavra, através de estudos Bíblicos, leitura Orante da Bíblia e incentivo vivo a Pastoral Bíblica, orientados pelo Magistério da Igreja.


Você Ministra e Ministro da Palavra, você ministr@ coordenador da Pastoral da Bíblia, dos cursos de leitura orante da Bíblia e todo Povo de Deus, o estudo e leitura da Bíblia é recomendado pela constituição dogmática “Dei Verbum”, graças ao Concilio Vaticano II e a movimentos populares como o Movimeto Bíblico. Este concilio e respectivo documento da Igreja é um marco na história da Igreja Católica, um verdadeiro divisor de águas que não pode deixar de ser conhecido e difundido. Nossa vivência hoje na comunidade é fruto deste movimento do Espírito Santo dentro da Igreja, manifestado através do Grande Concilio Vaticano II, que neste ano de 2012 comemora seus 50 anos de vivência e frutos a toda Igreja, especialmente a Igreja da América Latina. Amém.


*Santos Padres ou Pais da Igreja foram influentes teólogos, professores e mestres cristãos e importantes bispos. Seus trabalhos acadêmicos foram utilizados como precedentes doutrinários para séculos vindouros. Os padres da Igreja são classificados entre o século II e VII.[1][2] O estudo dos escritos dos Padres da Igreja é denominado Patrística.[3] Site http://pt.wikipedia.org/wiki/Padres_da_Igreja



Para refletir:
  1. Segundo esta ficha, por que a Palavra de Deus é o fundamento da Igreja?
  2. Como o estudo da DV contribuiu para a sua formação?
  3. Como a Igreja e os fiéis têm tornado viva a Palavra de Deus?

Sobre este documento que mudou a face da Igreja, fruto   do  estudo e da reflexão de toda Igreja reunida sobre a sagrada escritura e a tradição da Igreja: Constituição dogmática Dei Verbum, fruto do Concilio Vaticano II, que mudou a face da Igreja, mas não a face de Deus, confira o texto abaixo:


Ficha17: A Sagrada Escritura na Vida da Igreja

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Meu Deus, meu Pai, Nosso Senhor Jesus Cristo. A semana Santa e o Cristo Ressuscitado e Vivo no texto: "Como irrompeu na evolução o Homem Novo", por Leonardo Boff.





A semana Santa por Leonardo Boff, a fidelidade das mulheres que seguiram Jesus. O Cristo ressuscitado que apareceu primeiramente as mulheres e determinou o anúncio de seu Reino. Tão humana foi a vida de Jesus, que seus seguidores e seguidoras concluíram, tão humano assim, só pode ser Deus. Não resta dúvida a mim, a melhor definição da Páscoa Libertadora se encontra no Cristo Ressuscitado, manifestada na Fé e no Amor incondicional do Cristo Libertador. Sobre o tema, confira o texto abaixo, muito bom. Recomendo a leitura com atenção:

"Como irrompeu na evolução o Homem Novo", de Leonardo Boff, confira na integra:

domingo, 25 de março de 2012

Clara de Assis: A primeira mulher Franciscana


Em homenagem as mulheres neste mês de março, mês que se relembra também o dia da primeira mulher Franciscana, dia 19 de março, dia de Santa Clara de Assis, Leonardo Boff nos brinda com um belo e poético texto, intitulado: "Clara de Assis - a coragem de uma mulher apaixonada". A vida, as paixões e religiosidade de Clara e Francisco de Assis, pois não dá para falar de um sem lembrar do outro.

Clara, um corpo material que se conserva incorruptível por 800 anos, forjado por um espirito de puro amor, cuja alma vive no mundo inteiro nos muitos conventos abertos segundo o carisma de Clara de Assis, irmã, amor de Francisco de Assis em Cristo Nosso Senhor. 


Confira: "Clara de Assis - A coragem de uma mulher apaixonada" por Leonardo Boff:
http://leonardoboff.wordpress.com/2012/03/25/clara-de-assis-a-coragem-de-uma-mulher-apaixonada/ 

sábado, 24 de março de 2012

Livro dos Livros: A Bíblia (Antigo e o Novo Testamentos) Ficha 16 do AVF




     O pensamento/interpretação de Santo Agostinho sobre o livro da vida propriamente dita, revelado no mundo criado e, o livro dos homens para os homens, a Bíblia. Segundo a revelação de Deus a mente do homem, escrita pelo homem e para o homem, através do espirito de Deus. Antigo e Novo Testamentos, uma única mensagem de Deus, o caminho de Deus, em palavras humanas.

    A Ficha de estudo 16 do grupo AVF, traz em seu texto um roteiro de aula para iniciantes nos estudos da Bíblia. Muito bom. Confira o link abaixo:


          Ficha 16: O Antigo e o Novo Testamentos

sábado, 17 de março de 2012

A Mulher no mundo e na Igreja - Violência doméstica e a "Lei do Silêncio".

"Para a liberdade Cristo nos libertou! Ficai, pois, firmes e não vos curveis de novo sob o jugo da escravidão" ( Gl 5.1) 





O sistema patriarcal vigora nas Igrejas ainda hoje, e a luta pelos direitos das mulheres continua para além do dia 8 de março, do mês de março, uma luta para os 365 dias do ano. Diante das muitas discriminações e violências domésticas sofridas pelas mulheres no mundo inteiro, indaga - se: Estariam as Igrejas brasileiras realmente preparadas para acolher a mulher? Vindo de uma cultua patriarcal, muitos ainda se calam e esperam de uma "boa" mulher apenas uma coisa, o silêncio!


"Segundo a Organização Mundial de Saúde, a violência é a maior causa de morte de mulheres entre 16 e 44 anos. 
- Segundo dados do Conselho Europeu, divulgado pela Anistia Internacional, a violência doméstica é a principal causa de morte e deficiência entre mulheres de 16 a 44 anos; ela mata mais do que câncer e acidentes de trânsito.
- No Brasil,  2,1 milhões de mulheres são espancadas por ano, 5.800 por dia, 243 por hora, quatro por minuto e uma a cada 15 segundos.
Onde estão essas mulheres? Quem são elas? Nossa tendência é imaginar que são mulheres muito distantes de nós. Lembramos de alguns casos que vimos pela televisão e podemos até citar alguns nomes. Mas os dados estatísticos nos levam a ter que admitir que muitas delas estão sentadas nos bancos das nossas igrejas..."  (Violência contra a mulher e o despreparo das igrejas - Sônia Gomes Mota e Romi Márcia Bencke)

Sobre a discriminação e violência doméstica a mulher e o papel das Igrejas Confira o texto publicado no CEBI: Violência contra a mulher e o despreparo das igrejas - Sônia Gomes Mota e Romi Márcia Bencke, no link abaixo:


http://www.cebi.org.br/noticia.php?secaoId=9&noticiaId=2843 

quarta-feira, 7 de março de 2012

A Inspiração Divina e a Interpretação da Sagrada Escritura (3ª DV) _ Ficha 15 AVF







Bíblia, palavra de Deus revelada ao homem. Nela está contido todo o mistério da criação do mundo criado, da humanidade e o seu destino, em linguagem simbólica que “fala” através do espírito de Deus a mente do homem de ontem, de hoje e, certamente falará ao homem de amanhã e, fala de amor, fala do bem, fala de esperança. Um conjunto de escritos que se completam entre si, cuja própria escritura e autores são mistério, num “livro” que se revela mistério, que se desvenda no tempo do homem de acordo com seu entendimento, tal qual Deus é mistério. Através dos seus ensinamentos, retamente entendidos, sem manipulação da palavra revelada, o homem velho renasce criança e a criança se torna adulto num ser humano melhor que aos poucos vai se aproximando de Deus.
  
Nesse contexto, é fundamental o estudo dos textos sagrados, pois Jesus Cristo humano o fez, e nós como seus seguidores devemos seguir seus passos e exemplo. 

A Igreja atenta a está necessidade vital do ser humano, notadamente a partir do Grande Concilio Vaticano II, através do Magistério da Igreja vem de encontro ao homem de hoje no estudo e interpretação da Sagrada Escritura. Confira nosso estudo participativo na Ficha de estudo n. 15 do AVF (Ambiente Virtual de Formação), no link abaixo:


Ficha 15 – A Inspiração Divina e a Interpretação da Sagrada Escritura (3ª DV)

Pequena homenagem a Mulher: Terra de Imaculada - Inspire-se nas grandes mulheres da Bíblia




Na Bíblia, na história e no nosso dia a dia, não faltam, nem faltará mulheres que fazem a diferença, porque
ousaram lutar por um mundo melhor para todos e todas.
Confira no site abaixo, uma pequena lista dentre tantas das mulheres fortes e destemidas que participaram ativamente do plano de Deus na caminhada do Povo escolhido (AT).

Terra de Imaculada: Inspire-se nas grandes mulheres da Bíblia: Aproveite o Dia Internacional da Mulher e aprenda lições com as mulheres mais marcantes do livro sagrado dos cristãos. Daniella Gallotto ...

domingo, 26 de fevereiro de 2012

A Sagrada Escritura na Tradição da Igreja. Ficha 14 – A Transmissão da Revelação Divina (2ª DV)


Em pleno século XXI, a mensagem de Cristo continua sendo anunciada segundo o mandamento do Senhor: “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28,19-20a). Todos aqueles que a transmitem, fazem isso pela fé e acreditam cumprir o mandamento do Senhor. Todavia, é necessário reconhecer que, ao longo do tempo, diversas formas de anunciar o Evangelho se sucederam. Disso se constata que, tanto a ação de interpretar quanto a de transmitir são realizadas por pessoas que estão situadas no tempo e no espaço e, portanto, são passíveis de ser influenciadas pelas circunstâncias históricas e temporais. Especialmente, em nosso tempo, com a multiplicação de muitas religiões de matriz cristã e com o ceticismo moderno, surgem questões relativas à interpretação e à transmissão da Revelação, tais como, se o que se anuncia fora mesmo dito por Jesus, o Cristo, e/ou por seus contemporâneos. A existência do ditado popular: ‘quem conta um conto acrescenta um ponto’ revela que toda transmissão contém também uma interpretação. De outro lado, na perspectiva da fé, a interpretação deve ser vista como um serviço que a Igreja presta à comunidade, e cabe ao ouvinte ter discernimento para buscar a essência do anúncio..."

Confira o texto na integra, objeto de estudo: "Constituição Dogmática DEI VERBUM - Sobre a Revelação Divina". Ficha 14 do AVF.


Ficha 14 – A Transmissão da Revelação Divina (2ª DV)